Poema sem título

11425844_1029116047099381_1598749406_n

Na cama

Fecho os olhos 

Narcóticas as lembranças

Abreviam tal subsistência

Perduro Remanesço Sobrevivo

Almejando por uma voz humana

Me aconchego no lençol frio

Como se subtraísse agonia

Como se dependesse disso

Da minha janela

E de várias outras

Mas ainda é cedo

E essa escuridão não vem do céu

E já nem sei em quantas partes me dividi

Eu inalo a fumaça da decadência

Eu engulo o pedaço da ascáride

                                                                                                                                         E essas volúpias linhas

                                                                                                                                                  Adormeço.

                                                                                                                     Out of Macro.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Poema sem título

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s